Truques e dicas: Kdenlive #1

[clique no botão “legendas” para ver/ocultar as legendas. Ver em HD]

Truques e dicas: Kdenlive #1 (transcrição do vídeo)
Sejam bem-vindos a mais um vídeo, desta feita exclusivamente dedicado ao Kdenlive, um dos mais avançados editores de vídeo ‘open source’, ou seja, livre e de código aberto.
Neste segmento de truques e dicas vou tocar em cinco tópicos essenciais sobre o programa: como tirar partido dos fotogramas-chave (keyframes), seleccionar uma parte de um vídeo a inserir directamente na linha de edição, estender ou encurtar a duração de trechos de vídeo e como usufruir do controlo dos níveis de áudio (audiogain).

Seleccionar e inserir
Esta primeira dica de escolher uma parte de um vídeo e inseri-la directamente na linha temporal é a minha forma favorita de edição. Ao seleccionar um trecho de vídeo no visor fonte, denominado no Kdenlive por ‘clip monitor’, acelera-se consideravelmente a edição, optimizando-se assim o tempo de conclusão de cada projecto.
O funcionamento desta opção é simples. Basta escolher um ponto de entrada e saída, movendo este triângulo e clicando no parêntesis recto esquerdo para inserir um ponto de entrada e no parêntesis recto direito para inserir um ponto de saída. Depois, mantendo pressionado o botão esquerdo do rato, arrasta-se o seu ponteiro até ao local pretendido na linha temporal. Se preferir pode também utilizar os botões de recuar, reproduzir e avançar para fazer essa mesma navegação.
Como se vê este é um método simples, rápido e muito eficaz, que lhe poupará preciosos minutos em edições de maior complexidade.

Fotogramas-chave
Outra ferramenta imprescindível num editor de vídeo são os chamados keyframes ou, em português, fotogramas-chave. Graças a estes é possível regular com precisão de fotograma qualquer género de mudança de actividade. Basicamente isso quer dizer que se podem alterar parâmetros dos elementos na linha de edição e gravar essas variações de mudanças que serão depois reproduzidas no vídeo em si. Mas como não há nada como exemplificar, vamos a um caso prático…
Digamos que quero controlar o volume da faixa de áudio mas em diferentes instâncias. Para isso basta seleccionar a faixa à qual será aplicada o efeito, abrir a lista de efeitos e pesquisar por volume. Como se vê até já tem aqui a indicação de que podem ser utilizados fotogramas-chave.
Para aplicar o efeito é só clicar nele duas vezes tendo a faixa de áudio seleccionada ou arrastar o efeito para cima desta. Outra forma de fazer o mesmo é através do menu rápido com clique no botão direito do rato: adicionar efeito > correcção de áudio > e volume.  Depois é só clicar no ícone do cronómetro para activar a inserção de fotogramas-chave e ir adicionando-os ou removendo-os com os sinais + e – sempre que seja necessário novo registo de modificações.
Os fotogramas-chave podem posteriormente ser ajustados na linha temporal com a barra de posição ou ainda colocando manualmente a temporização dos mesmos e os seus valores na segunda coluna, a coluna gain (controlo de volume).
A seta de retroceder repõe o valor de gain que o fotograma-chave seleccionado tinha por defeito. O botão de ‘seek to active keyframe’ (ir para fotograma-chave) permite que, ao clicar na segunda coluna, o navegador da linha de edição se desloque para o fotograma-chave seleccionado de forma automática. Quando desactivada esta opção, nada acontece.
Devo sublinhar que caso se pretendam utilizar fotogramas-chave se evitem efeitos de entrada e saída suaves (‘fade in’ e ‘fade out’) porque como se vê pelas miniaturas da faixa de áudio isso elimina a representação gráfica dos fotogramas-chave. Podem adicionadas entradas e saídas suaves quando todos os fotogramas-chave estiverem finalizados ou preferencialmente aplicar ‘fade in’ e ‘fade out’ com recurso aos próprios fotogramas-chave, como estou a exemplificar neste momento.
Os fotogramas-chave podem ser utilizados com praticamente todos os efeitos e transições como, por exemplo, a ferramenta de composição, outra função avançada e importantíssima, sobre a qual farei brevemente um vídeo mais aprofundado que cobrirá extensivamente as suas potencialidades.

Encurtar/estender duração um clip
Um desses efeitos passíveis de serem combinados com fotogramas-chave é movimento (‘motion’), com o qual é possível definir quão rápido ou quão lento é apresentado um dado trecho de vídeo.
Por exemplo, se quisermos imitar um efeito de câmara lenta colocamos um número inferior a 100 no campo de valor. E este é o resultado: uma espécie de movimento câmara lenta.
O efeito oposto consegue-se, naturalmente, introduzindo um número superior a 100%. E aí está, o ritmo de apresentação acelerado que torna este jipe num verdadeiro jacto.
A opção ‘stroboscope’ determina a quantidade de fotogramas que se ignoram ao apresentar as imagens. Se eu, por exemplo, indicar 20, o efeito será apenas aplicado a cada 20 fotogramas, e terá uma duração de 20 vezes a sua duração original, ignorando fotogramas a essa mesma taxa, provocando dessa forma um efeito estroboscópico que, simplificando, é a ilusão de movimento causada pela apresentação sobreposta de várias imagens fixas de uma sequência, como demonstrado na imagem seguinte.

A sua opinião…
E você, tem algum aspecto do Kdenlive que gostaria ver esclarecido?
Então diga-me nos comentários, sugerindo-o como o que devo olhar num próximo vídeo.
Se esta publicação e vídeo lhe foram úteis sinta-se à vontade para os partilhar.

best_free_video_software_kdenlive

Créditos
Texto: transcrição do vídeo
Produção e legendas: Mário J.R. Matos
Música: Kevin MacLeod (Incompetech)
Informações técnicas – equipamento: microfone de lapela, gravador de áudio portátil, monitores LG (2×21′ e 1×17′) e estação de trabalho baseada na placa-mãe Asus P9X79 WS com o i7-3930k (EVGA Geforce GTX 680 Classified 4GB, 2×256 GB Corsair Performance Pro SSD, 3x3TB Seagate Constellation ES ST1000, 64GB G.Skill RipjawsZ F3 DDR3-2133) | Programas: Lightworks (11.5), Audacity, Ardour, GIMP, Vokoscreen, Aegisub, LibreOffice, gedit, Ubuntu (13.10)
Direitos de autor: o vídeo pode ser partilhado através das opções de partilha do YouTube; as imagens podem ser utilizadas desde que atribuída a autoria e colocada uma hiperligação para esta publicação; os mesmos termos de utilização das imagens se aplicam ao conteúdo textual